Avanços e desafios da Educação Interprofissional em Saúde na região das Américas foi o enfoque central da 3º. Reunião Técnica Regional da Argentina

Nos dias 06 e 07 de dezembro de 2018, na cidade de Buenos Aires foi sediada a Terceira Reunião Técnica sobre Educação Interprofissional em Saúde (EIP): Melhorar a capacidade dos recursos humanos para alcançar a saúde universal. O evento, organizado pela Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde (OPAS / OMS), com a colaboração da Secretaria de Governo de Saúde da República Argentina, por meio de sua Direção Nacional do Capital Humano e contou com o apoio da Rede Regional de Educação Interprofissional das Américas (REIP).

Estiveram presentes à reunião 15 países da Região das Américas, cujo foco foi a Estratégia de recursos humanos para o acesso universal à saúde e a cobertura universal de saúde da OPAS / OMS.

Os países participantes: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Guatemala, Guiana, Honduras, Nicarágua, Paraguai, Peru, República Dominicana, Suriname e Uruguai apresentaram as atividades planejadas e executadas no âmbito de seus planos nacionais de implementação da EIP, os quais foram apresentados à OPAS / OMS em fevereiro de 2018.

Vários países avançaram no tema da EIP por meio da realização das mais diversas ações no campo da pesquisa, organização de oficinas, conferências, congressos, mapeamentos e reconhecimento de experiências de EIP, além de iniciativas educação continuada e permanente para profissionais da saúde. Por outro lado, alguns países ainda começarão a desenvolver suas atividades, sendo eles: Costa Rica, Guiana, Honduras, Nicarágua e Suriname.

Diversas sessões fizeram parte do evento, como a apresentação da Estratégia de recursos humanos para o acesso universal à saúde e a cobertura universal de saúde: plano de ação e seu foco na educação interprofissional; a EIP na Argentina: os avanços no tema e sua importância para a política nacional de recursos humanos em saúde; a EIP como estratégia para a formação de estudantes e profissionais de saúde por meio dos programas de Educação Permanente.

Os participantes organizaram-se em grupos de trabalho para discutir e formular propostas para a inclusão da EIP nos processos de desenvolvimento docente e nas estratégias de programas de educação permanente para profissionais de saúde.

O painel Experiências sobre a EIP e os planos de ação dos países contou com a apresentação da Argentina - Marcelo García Dieguez - Ministério da Saúde; Brasil - Claudia Brandão - Ministério da Saúde (videoconferência); Cuba - Natacha Lescaille Elias e Marco del Risco del Rio - Ministério da Saúde; Chile - Patricio Fernández Pérez - Ministério da Saúde; Peru - Maria Paola Llosa Isenrich - Ministério da Saúde; República Dominicana - Rosa Adelina Céspedes - Ministério da Educação e Uruguai - Mercedes Perez - Universidade da República.

A fim de analisar o processo de desenvolvimento da EIP nas políticas de educação e saúde na Região das Américas e apresentar propostas para avançar no tema, foi realizada uma sessão conduzida por John Gilbert, da University of British Columbia e Canadian Interprofessional Health Collaborative. Para os convidados, a sessão foi de grande importância, pois permitiu compreender experiências concretas no tema da EIP.

Em continuidade ao evento, Argentina, Brasil, Cuba, Chile e Colômbia demonstraram suas experiências inovadoras com a incorporação da EIP nos cursos de graduação e pós-graduação na área da saúde e discutiram a importância de criar evidências para a EIP e como a Região das Américas pode investir nesta abordagem.

O workshop - Aprender a formular uma disciplina utilizando os fundamentos teóricos e metodológicos da EIP foi conduzido pela Dra. Eva María Icarán Francisco - Universidade Europeia de Madri / Espanha, que abordou ações práticas sobre como planejar uma atividade educacional utilizando as contribuições teóricas e metodológicas da EIP.

Por fim foi apresentado o relatório anual - 2018 da Rede Regional de Educação Interprofissional das Américas (REIP), demonstrando que a rede contribui para o desenvolvimento do tema na Região das Américas, auxiliando a incorporação da EIP nas políticas de recursos humanos dos países e que hoje são dezoito países da Região das Américas, mais um com a recente inclusão de El Salvador, reconhecem a EIP como uma importante abordagem que contribui para a atenção à saúde, para os modelos que atendam às necessidades de saúde integral, na perspectiva da saúde da população para a organização do cuidado centrado no paciente.

Acesse aqui o relatório anual - 2018 da REIP.

60% das atividades do plano de trabalho da REIP (2018-2019) foram realizadas e espera-se que a REIP possa manter seu apoio ao desenvolvimento da EIP na Região das Américas, assim como aumentar o número de países membros da rede e continuar a ser afiliada às instituições e organismos globais que atuam nesse tema, a fim de intensificar o compromisso de colaboração de todos os membros da rede para implementar a educação interprofissional e práticas colaborativas em saúde através do compartilhamento de experiências bem sucedidas, inovações, e  geração de novos conhecimentos.

REIP é membro da Global Confederation for Interprofessional Education & Collaborative Practice.

Chile e Cuba são os países proponentes para a próxima reunião técnica regional da EIP.

Como resultado do evento, ficou estabelecido o compromisso dos países em investir no tema da EIP e a necessidade de realizar ações que promovam transformações na área de recursos humanos em saúde e que produzam impactos nos sistemas de saúde.

Para o ano de 2019, o objetivo é que os demais Estados Membros da OPAS / OMS invistam na EIP como uma importante estratégia para contribuir para a saúde universal.